Você será direcionado para um link externo

Pular para o Conteúdo Principal
Blog da PIMCO

Principais conclusões da Perspectiva Cíclica: como prevalecer sob pressão

As perspectivas econômicas continuam desafiadoras, mas acreditamos que rendimentos mais altos contribuem para um argumento convincente para os títulos de renda fixa.

Os investidores têm razões suficientes para se preocupar: os mercados estão voláteis, a inflação persiste e o risco de recessão paira sobre nós.

No entanto, há um ponto positivo a ser considerado: como os rendimentos estão mais altos, os títulos de renda fixa voltaram a ficar atrativos.

Em nossa mais recente Perspectiva Cíclica, “Como prevalecer sob pressão”, discutimos o caso dos títulos de renda fixa, inclusive o maior potencial de renda e diversificação dos últimos anos, em nossa opinião. Discutimos também outros ativos e analisamos em detalhes os fatores que impulsionam a inflação, as respostas monetárias e a possibilidade de recessão. Esta publicação resume as nossas projeções para os próximos seis a 12 meses.

O cenário econômico

Tensões geopolíticas, mercados voláteis e o mais acelerado ritmo de aperto dos bancos centrais visto nas últimas décadas contribuem para um cenário econômico excepcionalmente incerto.

Nosso cenário-base prevê recessões superficiais nos mercados desenvolvidos, especialmente na zona do euro e no Reino Unido, que enfrentam transtornos causados pela guerra na Ucrânia. O PIB real dos Estados Unidos também deve passar por um período de pequena contração.

Enquanto isso, as taxas de inflação subjacente que estão acima das metas dos bancos centrais parecem estar mais entranhadas e, embora a inflação geral deva perder força significativa em nosso horizonte cíclico, parece que isso levará mais tempo agora.

A combinação de desemprego em alta e inflação persistentemente acima da meta colocou os dirigentes dos bancos centrais em uma situação difícil, mas, até o momento, suas ações sugerem que eles estão totalmente focados em reduzir a inflação. Nos Estados Unidos, por exemplo, acreditamos que o Federal Reserve elevará a taxa de juros para 4,5%-5% e, em seguida, fará uma pausa para avaliar o impacto do aperto sobre a economia.

Implicações para os investimentos

Tendo em vista os rendimentos mais altos em todos os vencimentos, o momento é favorável para investir em renda fixa. Prevemos que os mercados de renda fixa de alta qualidade gerarão retornos muito mais consistentes com as médias de longo prazo e acreditamos que a parte frontal das curvas de juros da maioria dos mercados já tenha precificado um aperto monetário suficiente.

Vemos muitas oportunidades para aproveitar esse valor crescente nos mercados de renda fixa. Por exemplo, os investidores podem combinar a exposição a rendimentos de referência de alta qualidade, que aumentaram significativamente no ano passado, e a exposição seletiva a setores de spread de alta qualidade, além de adicionar o potencial de alfa da gestão ativa. Considerando nossa perspectiva cíclica, o potencial de retorno é interessante e muitos investidores podem ser recompensados ao voltar para a renda fixa.

Além do maior potencial de geração de renda, os rendimentos estão suficientemente altos para oferecer potencial de ganho de capital caso os resultados de crescimento e inflação sejam piores do que o esperado ou o mercado de ações apresente um desempenho mais fraco. Esperamos que correlações negativas mais normais se reafirmem entre os títulos de alta qualidade e as ações, melhorando as características de hedging dos títulos de renda fixa de qualidade que, geralmente, aumentam em valor quando as ações sofrem queda. Além disso, os rendimentos mais altos oferecidos nos mercados de renda fixa atualmente podem ajudar a compensar quem optar por esperar até o fim desse período de incerteza e volatilidade.

No entanto, é preciso ter cautela. Se a inflação for mais persistente do que esperamos, os bancos centrais podem ser forçados a aumentar os juros além do que já foi precificado. E se as recessões forem tão pouco profundas quanto prevemos, as autoridades econômicas podem demorar para reduzir os juros a fim de impulsionar o crescimento, dado o ponto de partida elevado da inflação.

Nos portfólios de renda fixa tradicional, este é um ambiente no qual estamos preparados para tomar a decisão ativa e deliberada de reduzir a exposição a uma série de fatores de risco e manter alguma munição (ou seja, liquidez). A gestão da liquidez é sempre importante, mas ela é particularmente importante em um ambiente de mercado difícil e altamente incerto. Em linha com nossa perspectiva secular, buscaremos manter portfólios que sejam resilientes em uma série de resultados econômicos, geopolíticos e de mercado.

Compartilhamos nossos pontos de vista sobre outros ativos na Perspectiva Cíclica, mas fazemos aqui uma última observação: acreditamos que a volatilidade prevista na economia real e no mercado financeiro levará a oportunidades atraentes para os investidores com paciência e capital novo. A defasagem entre as valuations de ativos públicos e privados continua bastante elevada, mas conforme os mercados privados se ajustem e as dificuldades no espaço de créditos corporativos e imobiliários se tornem aparentes, devem surgir oportunidades tremendas para gerar retornos descomunais. Essa é uma de nossas visões de mais alta convicção.

Para mais detalhes sobre nossa perspectiva para a economia global e suas implicações para os investimentos ao longo do próximo ano, leia a íntegra da Perspectiva Cíclica, "Como prevalecer sob pressão”.

p>Tiffany Wilding é economista para América do Norte e Andrew Balls é CIO de Renda Fixa Global.

Autores

Informações importantes

Todos os investimentos apresentam riscos e podem perder valor. O investimento no mercado de renda fixa está sujeito a riscos, inclusive riscos de mercado, taxa de juros, emissor, crédito, inflação e liquidez. O valor da maioria dos títulos e estratégias de renda fixa é afetado pelas oscilações nas taxas de juros. Títulos e estratégias de renda fixa com “durations” (prazo médio) mais longas tendem a ser mais sensíveis e voláteis do que aqueles com “durations” mais curtas; os preços dos títulos geralmente caem quando as taxas de juros sobem, e o ambiente de juros baixos aumenta esse risco. Reduções na capacidade de títulos de renda fixa da contraparte podem contribuir para a diminuição da liquidez de mercado e o aumento da volatilidade dos preços. Quando resgatados, os investimentos em títulos de renda fixa podem ter valor superior ou inferior ao seu custo original. As commodities apresentam riscos mais altos, inclusive de mercado, políticos, regulatórios e relacionados a condições naturais, e podem não ser adequadas a todos os investidores. As ações podem perder valor devido a condições setoriais, econômicas e de mercado reais ou supostas. O investimento em títulos denominados em moeda estrangeira e/ou de empresas sediadas no exterior pode envolver um risco maior devido a oscilações cambiais e a riscos políticos e econômicos, que podem ser maiores nos mercados emergentes. As taxas de câmbio podem oscilar significativamente em períodos curtos e reduzir o retorno de um portfólio. Os títulos lastreados em hipotecas e ativos podem ser sensíveis a oscilações nas taxas de juros, estar sujeitos ao risco de pagamento antecipado e, embora geralmente sejam garantidos por um governo, órgão governamental ou garantidor privado, não é possível assegurar que tal garantidor honrará suas obrigações. As menções a títulos hipotecários emitidos por agências e a títulos hipotecários privados referem-se a títulos hipotecários emitidos nos Estados Unidos. Títulos de renda fixa vinculados à inflação (ILB) emitidos por um governo são títulos de renda fixa cujo valor principal é corrigido monetariamente de acordo com a inflação; de forma geral, eles perdem valor quando a taxa de juros real aumenta. Treasury Inflation-Protected Securities (TIPS) são ILBs emitidos pelo governo dos EUA. O crédito privado envolve o investimento em títulos que não são negociados em mercados públicos, o que os torna sujeitos ao risco de iliquidez. Os portfólios que investem em crédito privado podem ser alavancados e podem participar de práticas de investimento especulativas que aumentam o risco de perda do investimento. Diversificação não é garantia contra prejuízos.

Alfa é um indicador de desempenho ajustado pelo risco que compara a volatilidade (risco de preço) do portfólio ajustado pelo risco com um índice de referência; o retorno excedente em relação ao índice de referência é o alfa. Beta é um indicador da sensibilidade dos preços aos movimentos do mercado. O beta do mercado equivale a 1. "Roll-down" é uma modalidade de retorno realizada quando um título se aproxima do vencimento, supondo uma curva de rendimento ascendente.

Como usados aqui, os termos “barato” e “caro” geralmente se referem a um título ou classe de ativos considerada substancialmente sub ou supervalorizada em relação a sua média histórica e às expectativas do gestor de investimento. Não existe uma garantia de resultados futuros nem de que a valuation de um título assegurará lucros ou protegerá contra perdas.

A qualidade de crédito de um título ou grupo de títulos específico não garante a estabilidade nem a segurança do portfólio como um todo. Os ratings de qualidade de emissões/emissores individuais são apresentados para indicar sua qualidade de crédito e, de forma geral, variam de AAA, Aaa ou AAA (mais elevados) até D, C ou D (mais baixos) na S&P, Moody's e Fitch, respectivamente.

As previsões, estimativas e determinadas informações aqui contidas são baseadas em pesquisas próprias e não devem ser interpretadas como consultoria de investimento, oferta ou convite e tampouco como compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. As previsões e estimativas apresentam certas limitações inerentes e, ao contrário de um registro de desempenho efetivo, não refletem as transações, restrições de liquidez, taxas e/ou outros custos propriamente ditos. Além disso, as referências a resultados futuros não devem ser interpretadas como uma estimativa ou promessa de resultados que o portfólio de um cliente pode alcançar.

As afirmações relativas às tendências do mercado financeiro ou às estratégias do portfólio são baseadas nas condições atuais de mercado, que podem se alterar. Não é possível garantir que essas estratégias de investimento funcionem em todas as condições de mercado ou sejam adequadas a todos os investidores, de modo que cada investidor deve avaliar sua capacidade de investir a longo prazo, principalmente em períodos de queda no mercado. Os investidores devem consultar seus próprios assessores antes de tomar uma decisão de investimento. As perspectivas e estratégias estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio.

De forma geral, a PIMCO presta serviços a instituições qualificadas, intermediários financeiros e investidores institucionais. Investidores individuais devem entrar em contato com seu próprio profissional financeiro para determinar as opções de investimento mais adequadas a sua situação financeira. Este material contém as opiniões do gestor, que estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. Este material foi distribuído para fins exclusivamente informativos e não deve ser considerado como consultoria de investimento nem como recomendação de qualquer título, estratégia ou produto de investimento específico. As informações aqui contidas foram obtidas junto a fontes consideradas confiáveis, mas não podem ser garantidas. Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida em qualquer forma, nem citada em qualquer outra publicação, sem autorização prévia por escrito. PIMCO é uma marca registrada da Allianz Asset Management of America L.P. nos Estados Unidos e em todo o mundo. ©2022, PIMCO.

Fale um pouco a seu respeito para nos ajudar a adequar o site a suas necessidades

Termo de isenção de responsabilidade

Por gentileza, leia estes Termos e Condições de Uso (“Termos e Condições”) com atenção.
{{!-- Populated by JSON --}}
Select Your Location

Americas

Europe, Middle East & Africa