Você será direcionado para um link externo
Pular para o Conteúdo Principal
Perspectiva de Alocação de Ativos

Momento ideal para a renda fixa

Em nossa perspectiva para 2024, a renda fixa surge como uma classe de ativos de destaque, oferecendo perspectivas sólidas, resiliência, diversificação e valuations mais atraentes que das ações.
Resumo
  • Forte preferência pela renda fixa em carteiras multiativos. Considerando os valuations atuais, a perspectiva desafiadora para o crescimento econômico e a redução da inflação, acreditamos que os títulos de renda fixa raramente pareceram mais atraentes do que as ações. Também procuramos manter a flexibilidade da carteira à luz dos riscos macroeconômicos e de mercado.
  • Duration da renda fixa oferece valor atraente nos patamares atuais de rendimento. Mantemos posições overweight nos EUA, Austrália, Canadá, Reino Unido e Europa. No espaço de crédito, damos preferência a ativos lastreados por hipotecas e a títulos securitizados selecionados.
  • Postura neutra em ações que, segundo diversas métricas, estão com avaliação exagerada, mas devem retornar a níveis mais razoáveis com o tempo. Uma abordagem ativa pode nos ajudar a identificar oportunidades em um mercado de ações diferenciado; estamos nos concentrando na qualidade e na resiliência a longo prazo.

A perspectiva econômica global, juntamente com os valuations do mercado e os fundamentos das classes de ativos, leva-nos a favorecer a renda fixa. Em relação às ações, acreditamos que, raramente, a renda fixa esteve tão atraente quanto hoje. Após alguns anos turbulentos de inflação elevada e juros em alta que criaram dificuldades para as carteiras, em 2024 os investidores poderão ver uma volta a um comportamento mais convencional nos mercados de ações e renda fixa, mesmo que o crescimento esteja comprometido em muitas regiões.

Nesse cenário, a renda fixa parece preparada para apresentar um bom desempenho, enquanto as ações podem ter retornos ajustados pelo risco menores (mas ainda positivos) em um mercado que, de forma geral, está supervalorizado. Os riscos ainda pairam sobre as perspectivas macroeconômicas e geopolíticas, de modo que a flexibilidade da carteira continua sendo fundamental.

A perspectiva macro sugere o retorno da relação inversa entre ações e renda fixa

Na última Perspectiva Cíclica da PIMCO, “Pós-pico”, apresentamos nosso cenário-base de desaceleração do crescimento nos mercados desenvolvidos, com algumas regiões apresentando potencial de contração no próximo ano conforme o apoio fiscal chegar ao fim e os efeitos da política monetária forem sentidos (após sua defasagem típica). Nosso modelo de ciclo de negócios indica uma probabilidade de 77% de que os EUA estejam na fase “final do ciclo” e sinaliza uma probabilidade de cerca de 50% de recessão no país no prazo de um ano.

Talvez o crescimento tenha atingido o pico, mas, em nossa opinião, o mesmo aconteceu com a inflação. À medida que os níveis de preços se aproximarem das metas do banco central em 2024, os títulos de renda fixa e as ações deverão retomar sua relação inversa mais típica (ou seja, correlação negativa), o que significa que a renda fixa tende a se sair bem quando as ações enfrentam dificuldades e vice-versa. As projeções macroeconômicas favorecem os títulos de renda fixa nesse cenário: historicamente, os títulos do Tesouro dos EUA tendem a oferecer retornos ajustados pelo risco atraentes em um ambiente "pós-pico", enquanto as ações enfrentam mais dificuldades.

Os valuations e os níveis atuais podem ser extremamente favoráveis à renda fixa

Embora nem sempre seja um indicador perfeito, o nível inicial do rendimento da renda fixa ou dos múltiplos das ações tende a sinalizar os retornos futuros. A Figura 1 mostra que, em média, os níveis atuais de rendimento dos títulos de alta qualidade foram seguidos por um desempenho superior no longo prazo (geralmente, atraentes 5,0% a 7,5% nos cinco anos subsequentes), enquanto o nível atual do CAPE (cyclically adjusted price-to-earnings ratio, P/L ajustado ciclicamente) esteve associado a um desempenho medíocre das ações no longo prazo. Além disso, a renda fixa proporciona esses níveis de retorno de forma mais regular do que as ações em termos históricos – veja a distribuição mais estreita (mais "normal") dos retornos. Essa é uma afirmação interessante para a renda fixa.

This figure consists of two bar charts comparing the historical forward return distribution since 1976 for equities (left side) and fixed income (right side) when the starting conditions are similar to now. Equities showed a greater variation in subsequent 5-year returns during the time frame, with the greatest percentage of observations (34%) in the −2.5% to 0.0% range. In the same time frame, fixed income had the great majority of observations (75%) in the 5.0% to 7.5% range. Chart source: Bloomberg, Barclays Live data (January 1976 – September 2023), PIMCO calculations. “Conditions similar to now” are defined as a cyclically adjusted price/earnings (CAPE) ratio of greater than or equal to 28 for the S&P 500 Index, and yield-to-worst in a range of 5%–7% for the Bloomberg U.S. Aggregate Index.
Figura 1: Olhando para o futuro, os níveis iniciais favorecem a renda fixa em relação às ações
Fonte do gráfico: Bloomberg, dados do Barclays Live (janeiro de 1976 a setembro de 2023) e cálculos da PIMCO. “Condições semelhantes às atuais” são definidas como o CAPE (cyclically adjusted price-to-earnings ratio, P/L ajustado ciclicamente) superior ou igual a 28 para o índice S&P 500 e rendimento no pior cenário em uma faixa de 5% a 7% para o Índice Bloomberg U.S. Aggregate.

Analisando mais a fundo os dados históricos, constatamos que, no século passado, apenas em poucas ocasiões as ações dos EUA ficaram mais caras do que a renda fixa, como durante a Grande Depressão e na crise das dot-com. Uma forma comum de medir o valuation relativo dos títulos de renda fixa e das ações é o ERP. Há várias formas de calcular o ERP, mas aqui usamos o preço/lucro invertido do S&P 500 menos o rendimento dos Títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA. O ERP está hoje pouco acima de 1% – um nível baixo como esse não é visto desde 2007 (ver Figura 2). A história sugere ser provável que as ações não permaneçam tão caras em relação aos títulos de renda fixa; acreditamos que este pode ser o momento ideal para considerar um overweight em renda fixa nas carteiras de alocação de ativos.

Figura 2: As ações dos EUA parecem caras em comparação com a renda fixa
Fonte: Bloomberg e cálculos da PIMCO, em 13 de outubro de 2023. O prêmio de risco de mercado (ERP) é calculado como o rendimento dos ganhos em 10 anos do S&P 500 (ou S&P 90 antes de 1957) ajustado ciclicamente, deduzido do rendimento real dos Títulos de 10 anos do Tesouro dos EUA.

Em nosso ponto de vista, as relações de P/E (preço/lucro) são outra indicação de que as ações estão muito caras, particularmente nos EUA, e não apenas em comparação com a renda fixa, mas também em termos absolutos.

Ao longo dos últimos 20 anos, os valuations do S&P 500 se situaram, em média, em 15,4x o P/E projetado para NTM (next-twelve-month, 12 meses seguintes). Hoje, esse múltiplo está significativamente mais alto, em 18,1x o P/E NTM. Esse valuation leva em consideração um aumento estimando de 12% no lucro por ação (LPA) ao longo do próximo ano, uma estimativa que consideramos excepcionalmente elevada em uma economia que pode vir a enfrentar uma possível desaceleração. Supondo um nível hipotético mais normal de crescimento do LPA de 7% em 2024, o S&P estaria ainda mais caro, a 18,6x o P/E NTM, ao passo que, se formos mais conservadores e presumirmos crescimento zero do LPA em 2024, o valuation atual subiria para 19,2x o P/E NTM. Em nosso ponto de vista, um nível extremo como esse provavelmente ocasionaria uma contração nos múltiplos (quando o preço da ação cai mesmo com o lucro constante) se um LPA estável viesse a se concretizar.

Contudo, notamos uma diferenciação crucial dentro do mercado de ações: se excluirmos desse cálculo as sete maiores empresas de tecnologia, as demais componentes do S&P estariam sendo negociadas a um P/E NTM próximo de sua média de longo prazo, de 15,6x. Com uma gestão ativa, essa diferenciação poderia gerar oportunidades atraentes de geração de alfa.

De forma geral, acreditamos que as expectativas de lucros futuros robustos podem ser frustradas em uma economia em desaceleração, o que, juntamente com os valuations elevados em grande parte dos mercados, justifica uma postura neutra cautelosa em relação às ações, favorecendo a qualidade e as oportunidades de valor relativo.

Os fundamentos das ações justificam uma postura cautelosa

Nossos modelos sugerem que os investidores de ações parecem estar mais otimistas em relação à economia do que os que aplicam em créditos corporativos. Usamos os spreads de ERP (equity risk premium, prêmio de risco de mercado), LPA e CDX (credit default swap, swap de inadimplência de crédito) para estimar a probabilidade de recessão implícita nas diversas classes de ativos, que é calculada pela comparação dos níveis atuais com ambientes recessivos típicos. Via spreads de ERP e LPA, atualmente o S&P 500 reflete 14% de probabilidade de recessão, significativamente menor do que as estimativas implícitas pelo crédito high yield, de 42% (via CDX).

Esse otimismo é salientado pelas estimativas de consenso de lucros e vendas do S&P 500, que preveem uma reaceleração e não uma desaceleração (ver Figura 3). Estamos preocupados com uma possível desconexão entre nossa perspectiva macroeconômica e esses valuations e estimativas dos lucros das ações. Isso reforça nossa cautela em relação à classe de ativos.

Figura 3: O consenso das estimativas de vendas mostra uma perspectiva otimista para as ações norte-americanas
Fonte: U.S. Bureau of Economic Analysis, Haver Analytics, Goldman Sachs e PIMCO. O crescimento das vendas efetivo e projetado (consenso "bottom-up") do S&P 500 é uma projeção do Goldman Sachs em outubro de 2023. Os dados reais do crescimento nominal do PIB dos EUA são do BEA e da Haver Analytics, enquanto a projeção é um cálculo da PIMCO utilizando sua projeção do crescimento real do PIB dos EUA e o Índice de Preços ao Consumidor dos EUA (CPI) implícito nos Treasury Inflation-Protected Securities (TIPS) dos EUA. Dados e projeções do PIB em 3 de novembro de 2023. As projeções são indicadas pelas linhas pontilhadas.

Gestão dos riscos para o cenário-base macroeconômico

Reconhecemos os riscos de desaceleração do crescimento e da inflação para nossa perspectiva. Talvez a economia resiliente dos EUA evite a recessão, mas também gere um crescimento superaquecido e acelere a inflação, o que levará a uma política monetária muito mais restritiva. Também há potencial para um pouso forçado, no qual o crescimento e a inflação cairão rapidamente.

À luz desses cenários de risco, acreditamos ser prudente incluir hedges e criar opcionalidades – e a gestão da volatilidade, sobretudo em ações, está atrativamente barata (ver Figura 4). Por exemplo, uma estratégia que favorecemos é a “reverse seagull” (gaivota invertida), um spread de opção de venda financiado pela venda de uma opção de compra.

Figura 4: A volatilidade relativamente baixa das ações em comparação com a renda fixa estimula hedges com preços atraentes
Fonte: Bloomberg, dados de outubro de 2018 a outubro de 2023. VIX é o Índice de Volatilidade da Chicago Board Options Exchange (CBOE), um indicador da volatilidade do S&P 500. MOVE é o Índice MOVE ICE do Bank of America, um indicador da volatilidade dos mercados de renda fixa. Ambos os indicadores são indexados a 100 em outubro de 2018.

Temas de investimento em meio à incerteza elevada

Nas carteiras multiativos, acreditamos que a justificativa para a renda fixa é convincente, mas examinamos uma ampla gama de oportunidades de investimento. Estamos posicionados para uma série de resultados macroeconômicos e de mercado e damos ênfase a diversificação, qualidade e flexibilidade.

Duration: oportunidades de alta qualidade

Com os rendimentos iniciais atuais, daríamos preferência à renda fixa em uma base individual; a comparação com o valuation das ações simplesmente reforça nossa opinião. A renda fixa oferece potencial para retornos atraentes e pode ajudar a amortecer as carteiras em caso de recessão. Dadas as incertezas macroeconômicas, fazemos gestão ativa e diversificamos nossas posições em duration, visando a rendimentos resilientes e de alta qualidade.

A duration de médio prazo dos EUA é particularmente atraente. Também vemos oportunidades atraentes na Austrália, Canadá, Reino Unido e Europa. Os dois primeiros tendem a ser mais sensíveis às taxas de juros, já que uma grande parcela dos financiamentos habitacionais foi feita com taxas flutuantes, enquanto os dois últimos podem estar mais perto da recessão do que os EUA, tendo em vista os dados macroeconômicos recentes. Nessas regiões, a política dos bancos centrais pode divergir. Monitoraremos as posições de títulos de renda fixa em seus balanços para identificar um eventual impacto sobre os juros e posições relacionadas.

Nos mercados emergentes, mantemos um overweight em duration em países de alta qualidade de crédito, juros reais elevados, valuations atraentes e potencial de retorno. Em nossa opinião, o Brasil e o México, onde o processo de desinflação está mais avançado e as taxas reais estão nitidamente elevadas, destacam-se dos demais.

Em contrapartida, estamos underweight em duration no Japão, onde a política monetária pode se tornar mais apertada com o aumento da inflação.

Embora reconheçamos que as taxas de caixa estejam em seu nível mais atraente em um longo período, preferimos avançar ao longo do espectro de maturidade em um esforço para travar os rendimentos e ancorar as carteiras no médio prazo. Se a história servir de exemplo, a duration tem potencial significativo para superar o desempenho do caixa, particularmente nesta fase do ciclo da política monetária.

Ações: o valor relativo é fundamental

Embora, em seu conjunto, o S&P 500 pareça caro, vemos potencial para diferenciação e oportunidades em operações temáticas. De uma perspectiva macro, existe também o potencial para que a resiliência econômica (como a força do consumidor norte-americano) dê aos mercados de ações uma sustentação maior do que a que projetamos hoje. Consequentemente, estamos neutros em relação às ações nas carteiras multiativos. Uma abordagem ativa pode ajudar a identificar os potenciais ganhadores.

Em tempos de incerteza, preferimos investir em ações de qualidade. Historicamente, o fator qualidade tem sido uma opção atraente na fase final do ciclo de negócios (ver Figura 5). Dentro de nossa posição geral neutra, estamos overweight em ações dos EUA (S&P 500), que apresentam mais características de qualidade do que as de outras regiões, principalmente as dos mercados emergentes. Além disso, o crescimento europeu pode ser mais problemático que o dos EUA, de forma que estamos underweight no mercado de ações local, apesar de seu valuation mais atraente.

Figura 5: Ações de qualidade oferecem um potencial de retorno ajustado pelo risco atraente no final do ciclo de negócios
Fonte: PIMCO, Compustat e National Bureau of Economic Research (NBER) dos EUA, em 24 de outubro de 2023. Os índices de Sharpe, uma medida comum dos retornos ajustados pelo risco, são calculados usando dados a partir de 1984 e se baseiam no Fama — definições francesas de valor, qualidade, porte e momentum usando o S&P 500. As recessões e expansões são definidas pelo NBER.

Também favorecemos subsetores que contam com o suporte de medidas fiscais, os quais podem ser beneficiados por projetos de ciclo longo e por fortes ventos favoráveis seculares. A Lei de Redução da Inflação dos EUA, por exemplo, incentiva diversos setores de energia limpa (à base de hidrogênio, solar, eólica etc.) com créditos fiscais significativos.

No lado de venda de uma alocação de ações, nós nos concentramos em setores sensíveis aos juros, particularmente os de consumo cíclico, como as construtoras de imóveis residenciais. O setor automobilístico também pode ser afetado negativamente por taxas de juros mais altas por mais tempo, mas acreditamos que, quando a oferta se normalizar, a demanda terá dificuldades para acompanhá-la.

Crédito e ativos securitizados

No espaço de crédito, damos preferência à resiliência, com ênfase em oportunidades de valor relativo. Continuamos cautelosos em crédito corporativo, embora um foco ativo em setores específicos possa ajudar a atenuar os riscos em caso de recessão. Estamos underweight em crédito corporativo de menor qualidade com taxas flutuantes, como os empréstimos bancários e determinados ativos privados, que continuam a ser os segmentos mais suscetíveis aos juros elevados e já estão dando sinais de tensão.

Em contraste ao crédito corporativo, é possível encontrar spreads atraentes em hipotecas e títulos securitizados. Temos uma alocação elevada em títulos hipotecários emitidos por agências dos EUA (Agency MBS), que são líquidos, de alta qualidade e negociados com valuations bastante atraentes (ver Figura 6). Também vemos valor em posições sênior em determinados ativos securitizados, como CLO (collateralized loan obligations, obrigações de empréstimos garantidos) e CMO (collateralized mortgage obligations, obrigações de hipotecas garantidas).

Figura 6: Investimentos em MBS oferecem spreads atraentes
Fonte: Bloomberg e PIMCO, em 30 de setembro de 2023. “1x caro” e “1x barato” são definidos como um desvio padrão da média do OAS (option-adjusted spread, spread ajustado pelas opções). “2x caro” e “2x barato” são definidos como dois desvios padrão da média do OAS. Como usados aqui, os termos “barato” e “caro” geralmente se referem a um título ou classe de ativos considerados substancialmente sub ou supervalorizados em relação a sua média histórica e às expectativas do gestor de investimento.

Principais conclusões

Analisando as diversas classes de ativos, acreditamos que os títulos de renda fixa se destacam por suas fortes perspectivas no cenário-base macroeconômico, bem como por sua resiliência, diversificação e, principalmente, valuation. Considerando os riscos de um mercado de ações caro, a justificativa para uma alocação em renda fixa de alta qualidade é irrefutável.

Baixe nosso folheto para investidores e veja como estamos posicionando os portfólios em todas as classes de ativos globais.

Baixar o folheto

Baixe uma versão em PDF da Perspectiva de Alocação de Ativos.

Últimos insights

Análise econômica e de mercado

Dan Ivascyn, CIO do Grupo, discute os benefícios de travar os rendimentos elevados da renda fixa antes dos possíveis cortes de juros pelos bancos centrais em todo o mundo.

Análise econômica e de mercado

Renda fixa internacional com hedge cambial oferece diversificação eficaz para investidores brasileiros.

Análise econômica e de mercado

Em um trecho do nosso webcast Secular, Dan Ivascyn, CIO do Grupo, explica que enquanto os setores mais arriscados se ajustam lentamente às condições de crédito mais restritas, os títulos de renda fixa de alta qualidade podem oferecer rendimentos iniciais comparáveis aos retornos de longo prazo das ações, mas com volatilidade potencialmente menor.

Análise econômica e de mercado

Yields de bonds mais altos e maiores retornos em potencial podem ser uma boa oportunidade para advisors saírem de aplicações em caixa

Análise econômica e de mercado

Estresses econômico e de mercado aumentam o risco de recessão. Em cenários de incerteza, a renda fixa é uma possibilidade de rendimento atraente e estabilidade.

Análise econômica e de mercado

Quatro funcionários refletem sobre suas experiências de vida.

Análise econômica e de mercado

Acreditamos que os mercados de renda fixa oferecem os rendimentos mais altos e os melhores valuations dos últimos anos e posicionamos a Estratégia Income para se beneficiar ainda mais com a provável volatilidade do mercado e desaceleração da economia.

Análise econômica e de mercado

Investimentos em renda fixa de alta qualidade podem ajudar a centrar os portfólios, ao mesmo tempo em que oferecem um potencial de rendimento atraente em caso de recessão em 2023.

Análise econômica e de mercado

Acreditamos que os mercados de renda fixa agora oferecem um melhor valor para os gestores ativos do que já ofereceram há anos.

Autores

Informações importantes

Desempenho passado não é garantia nem indicação confiável de resultados futuros.

Todos os investimentos apresentam riscos e podem perder valor. O investimento no mercado de renda fixa está sujeito a riscos, inclusive riscos de mercado, taxa de juros, emissor, crédito, inflação e liquidez. O valor da maioria dos títulos e estratégias de renda fixa é afetado pelas oscilações nas taxas de juros. Títulos e estratégias de renda fixa com “durations” (prazo médio) mais longos tendem a ser mais sensíveis e voláteis do que aqueles com “durations” mais curtos; os preços dos títulos geralmente caem quando as taxas de juros sobem, e o ambiente de juros baixos aumenta esse risco. Reduções na capacidade de títulos de renda fixa da contraparte podem contribuir para a diminuição da liquidez de mercado e o aumento da volatilidade dos preços. Quando resgatados, os investimentos em títulos de renda fixa podem ter valor superior ou inferior ao seu custo original. As taxas de câmbio podem oscilar significativamente em períodos curtos e reduzir o retorno de um portfólio. As ações podem perder valor devido a condições setoriais, econômicas e de mercado reais ou supostas. O investimento em títulos denominados em moeda estrangeira e/ou de empresas sediadas no exterior pode envolver um risco maior devido a oscilações cambiais e a riscos políticos e econômicos, que podem ser maiores nos mercados emergentes. Os títulos de alto rendimento, com classificação de crédito mais baixa, envolvem um risco maior que os títulos de melhor classificação; os portfólios que aplicam neles podem ficar sujeitos a níveis mais elevados de risco de crédito e de liquidez do que os que não o fazem. Os títulos lastreados em hipotecas e ativos podem ser sensíveis a oscilações nas taxas de juros, estar sujeitos ao risco de pagamento antecipado e, embora geralmente sejam garantidos por um governo, órgão governamental ou garantidor privado, não é possível assegurar que tal garantidor honrará suas obrigações. Títulos hipotecários emitidos por agências dos EUA emitidos pela Ginnie Mae (GNMA) contam com a garantia incondicional do governo dos Estados Unidos. Se emitidos pela Freddie Mac (FHLMC) ou pela Fannie Mae (FNMA), contam com a garantia da agência para a amortização pontual do principal e dos juros, mas não com a garantia incondicional do governo dos EUA. As menções a títulos hipotecários emitidos por agências e a títulos hipotecários privados referem-se a títulos hipotecários emitidos nos Estados Unidos. O valor dos imóveis e dos portfólios que investem em imóveis pode variar devido a prejuízos decorrentes de acidentes ou condenação, mudanças nas condições econômicas locais e gerais, oferta e demanda, taxas de juros, taxas de imposto sobre a propriedade e limitações regulatórias sobre aluguéis, leis de zoneamento e despesas operacionais. Os empréstimos bancários muitas vezes têm liquidez menor do que outros tipos de instrumentos de dívida, e as condições financeiras e de mercado podem afetar sua quitação antecipada, de forma que não é possível prever com exatidão as antecipações de pagamento. Não há como assegurar que a liquidação da garantia de um empréstimo bancário satisfará a obrigação do tomador ou que essa garantia poderá ser liquidada. Diversificação não é uma garantia contra prejuízos.

A correlação de vários índices ou valores mobiliários entre si ou em relação à inflação é baseada em dados de um determinado período. Essas correlações podem variar sobremaneira no futuro ou no decorrer de períodos diferentes, o que pode resultar em volatilidade maior.

Tal como usados aqui, os termos “barato” e “caro” geralmente se referem a um título ou classe de ativos considerados substancialmente sub ou supervalorizados em relação a sua média histórica e às expectativas do gestor de investimento. Não existe uma garantia de resultados futuros nem de que o valuation de um título assegurará lucros ou protegerá contra perdas.

As projeções, estimativas e determinadas informações aqui contidas são baseadas em pesquisas próprias e não devem ser interpretadas como consultoria de investimento, oferta ou convite e tampouco como compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. As projeções e estimativas apresentam certas limitações inerentes e, ao contrário de um registro de desempenho efetivo, não refletem transações reais, restrições de liquidez, taxas e/ou outros custos. Além disso, as referências a resultados futuros não devem ser interpretadas como uma estimativa ou promessa de resultados que o portfólio de um cliente pode alcançar.

A qualidade de crédito de um título ou grupo de títulos específico não garante a estabilidade nem a segurança da carteira como um todo. Os ratings de qualidade de emissões/emissores individuais são apresentados para indicar sua qualidade de crédito e, de forma geral, variam de AAA, Aaa ou AAA (mais elevados) até D, C ou D (mais baixos) na S&P, Moody's e Fitch, respectivamente.

A PIMCO não oferece assessoria jurídica ou tributária. Consulte seus próprios assessores tributários e/ou jurídicos para esclarecer dúvidas e questões tributárias e jurídicas específicas.

As afirmações relativas às tendências do mercado financeiro ou às estratégias do portfólio são baseadas nas condições atuais de mercado, que podem se alterar. Não é possível garantir que essas estratégias de investimento funcionem em todas as condições de mercado ou sejam adequadas a todos os investidores, de modo que cada investidor deve avaliar sua capacidade de investir a longo prazo, principalmente em períodos de queda no mercado. As perspectivas e estratégias estão sujeitas a mudanças sem aviso prévio.

Os emissores citados são exemplos que a PIMCO considera bem conhecidos e que podem se enquadrar nos setores apresentados. Referências a emissores específicos não se destinam a ser recomendações para comprar, vender ou manter seus títulos e não devem ser interpretadas como tal. Os produtos e estratégias da PIMCO podem ou não incluir títulos dos emissores mencionados e, quando os incluírem, não é feita qualquer declaração de que tais títulos continuarão a ser incluídos neles.

De forma geral, a PIMCO presta serviços a instituições qualificadas, intermediários financeiros e investidores institucionais. Investidores individuais devem entrar em contato com seu próprio profissional financeiro para determinar as opções de investimento mais adequadas a sua situação financeira. Este material contém as opiniões do gestor, que estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. Este material foi distribuído para fins exclusivamente informativos e não deve ser considerado como consultoria de investimento nem como recomendação de qualquer título, estratégia ou produto de investimento específico. As informações aqui contidas foram obtidas junto a fontes consideradas confiáveis, mas não podem ser garantidas. Nenhuma parte deste material pode ser reproduzida em qualquer forma, nem citada em qualquer outra publicação, sem autorização prévia por escrito. PIMCO é uma marca registrada da Allianz Asset Management of America LLC nos Estados Unidos e em todo o mundo. ©2023, PIMCO.

Fale um pouco a seu respeito para nos ajudar a adequar o site a suas necessidades

Termo de isenção de responsabilidade

Por gentileza, leia estes Termos e Condições de Uso (“Termos e Condições”) com atenção.
{{!-- Populated by JSON --}}
Select Your Location

Americas

Europe, Middle East & Africa